TALLIN, ESTÔNIA. ONDE FICAR E O QUE CONHECER.


Chegamos ao Aeroporto Internacional Lennard Meri, em Tallin, vindos de Riga, no inicio de novembro de 2013. Não precisamos de visto e nem trocar moeda, afinal o Euro é a moeda local. O aeroporto é bem próximo da cidade, são apenas três quilômetros até o centro. Logo após sair do portão de desembarque, do lado esquerdo, existe uma escada rolante que dá acesso as locadoras de carros e aos ônibus. Não achamos necessário alugar carro aqui. O ticket do ônibus poderá ser obtido nas máquinas existentes para esse fim. Optamos pelo táxi. Gastamos sete euros até o centro. O fuso horário em relação ao Brasil é de quatro horas a mais. Não existe voo direto à partir do Brasil, mas os principais aeroportos da Europa, possuem voos para Tallinn. Voamos com a Air Baltic.
Onde ficar? Recomendo muitíssimo o Radissn Blu Hotel Tallinn, na Ravala Puiestee. Possui quartos amplos, um bom café da manhã, internet free, próximo as lojas de departamentos e, principalmente, porque dista dez minutos de caminhada da cidade velha, a principal atração da cidade. O check-in de seu voo poderá ser realizado na máquina existente na recepção do hotel.






Divida seu passeio entre a cidade murada e a área mais moderna, que poderá ser realizado pelo ônibus de turismo
Região historicamente conturbada por invasões e ocupações, sejam de dinamarqueses, alemães, suecos ou russos. Este é um país que venceu. Em setembro de 1944, a Estônia voltou a pertencer a União Soviética após a expulsão dos nazistas de seus territórios. Mas apenas em 1991, a Estônia declara independência. Com a admissão na zona do euro, em 2011, o país melhorou bastante. Tallinn, sua capital, significa uma abreviatura de Taani Linnus, que significa "fortaleza dinamarquesa" no idioma estoniano. É esta fortaleza medieval criada no monte Toompea que até hoje é a principal atracão turística da cidade. 
A cidade velha - Do nosso hotel, a caminhada era curta,  todavia, o vento e o frio tornara tudo bem mais complicado. Antes de entrar na cidade velha, conheça a feirinha local, onde se vende artesanato e roupas típicas da região (Viru Turg). O ideal é acessar a cidade pelo lindo e inclinado Portão de Viru, referência de Tallin e que datam do século XIV.

Entrada principal e rua Viru

O estilo arquitetônico medieval do norte europeu está bem preservado aqui. São dois quilômetros de muralhas e metade de suas 46 torres estão intactas. Prepare-se para andar aqui. A cidade velha não é pequena e para conhecê-la o ideal mesmo é ir a pé. Tem-se acesso de carro também, mas não é o ideal. Existem estacionamentos no interior da cidade (1.6 euros/30min). A Rua Viru é a principal e mais movimentada. Aqui se encontram restaurantes, lojas e cafés. Daqui se chega a área central, a Prefeitura (Raekoja plats). O único edifício em estilo gótico do norte da europa (séc. XIV) possui uma torre octogonal e que está aberto a visitação, ao valor de dois euros.



A bica com cabeça de dragão no alto da prefeitura é um exemplo das figuras curiosas que adornam os diversos prédios medievais da cidade. Este é um ponto de encontro da cidade velha.  Turistas, artistas de rua e barraquinhas de produtos típicos se misturam. Ande sem pressa aqui. Abaixo do prédio da prefeitura, existe um restaurante no mínimo curioso. É o III Draakon, não tem como errar, pois a fila que se forma é grande e o odor forte e agradável que se sente faz você parar. Trata-se de um restaurante/bar dentro da fortaleza da prefeitura, escuro, apenas com velas sobre as mesas e que serve uma sopa daquelas de espantar os maiores dragões. Na verdade uma sopa de legumes deliciosa e muito quente, servida em um pote de cerâmica, ao valor de dois euros.








Deste ponto, a melhor opção é seguir pelo lado esquerdo em direção ao monte Toompea. Lá encontraremos a linda Catedral Alexandre Nevsky. Grande catedral neobizantina da igreja ortodoxa russa. Possui cúpulas escuras e  crucifixos dourados e foi construida por ordem do tzar russo Alexandre III.  Por se tratar de uma obra russa, por pouco não foi destruída após a independência local.





Ao lado se encontra o Castelo Toompea. Possui fachada barroca cor-de-rosa e muito bonita, sem falar em sua torre Pike Hermann, de 50 m de altura. Abriga o Parlamento da Estônia.





Próximo está a Bastion Tunnels e Kiek in de Kok. Construída em 1475, tem 38m de altura e paredes com 4m de espessura, foi uma das torres de canhão mais resistentes da europa. Hoje funciona como museu. A subida ao topo das muralhas é difícil e  usa-se  correntes para auxiliar na subida (vale subir, acredite!). Na descida, pratique arco e flecha junto as muralhas famosas. Nada mais original e medieval.






Catedral de Santa Maria Virgem, aberta diariamente das 9h-17h. E a igreja mais antiga da Estônia. Possui fachada gótica do século XIV e é conhecida como Igreja do Domo. Próximo, está a Casa dos Cavaleiros, um prédio de cor verde neo renascentista, de 1848 e era o quartel-general dos Cavaleiros, a época.






Depois siga para o lado oposto em direção a Towers'Square e Great Coastal Gate e Fat Margaret's Tower. O Mirante Patkuli, um dos esconderijos de Toompea é onde se tem uma vista privilegiada da cidade. Suas catedrais e suas casas de telhado vermelho são destaques. Depois desta longa caminhada e de umas dezenas de fotos, siga pela Pikk até a prefeitura e o portão principal (Viru).



Muralha lateral de onde se tem acesso também a entrada principal.

Se ainda sobrar tempo, sugiro um passeio no ônibus de turismo . Não encontrei nada que justificasse uma descida, mas vale a pena conhecer um pouco mais da cidade.
Das cidades medievais que conheci na Europa, Tallinn é a mais completa e preservada. Um roteiro que vale investir.

Comente com o Facebook: