Lisboa ou Lisbon, como preferir, é a porta de entrada de muitos brasileiros na Europa. Já fomos algumas vezes para a capital portuguesa, mas sempre obedecendo uma rápida estadia, utilizando-a como ponto de partida para outro destino. Em dezembro de 2018 retornamos .

COMO CHEGAR

Morando no Nordeste do Brasil, Lisboa fica mais perto. De Maceió, são sete horas e meia de vôo. Viajamos com a Transamerica Turismo, que há mais de dez anos, promove um vôo charter para um réveillon na Europa, tendo com base, Lisboa. O Aeroporto Humberto Delgado fica a aproximadamente 7 km do centro da cidade.



Um dos pontos altos para quem visita Alagoas é conhecer Penedo. Nosso roteiro incluiu apenas um city tour, com ida e volta programados para o mesmo dia. Chegamos por lá em um dia tão lindo quanto sofrido. A elevação da temperatura, especificamente neste dia, desagradou, o que não nos fez desanimar, já que em pouco tempo estávamos nas ruas históricas, desfrutando da sua beleza. O nome Penedo originou-se de "A Grande Pedra". O povoado foi fundado em 1535 e elevado à Vila de São Francisco, em 1636. No final do séc. XIX passou a se chamar Penedo do Rio São Francisco.

COMO CHEGAR

Penedo está ao sul do estado de Alagoas, distante aproximadamente 160 km, seguindo a AL-101 e AL 105. Gasta-se aproximadamente duas horas  em uma viagem de carro. A estrada é boa, todavia deve-se evitar viajar a noite. Pela BR-101 a distância aumenta para 170 km. Sendo assim, cumprimos a primeira rota
De ônibus, a viagem dura cerca de quatro horas. Compre aqui

O QUE VISITAR

1) O Chalé dos Loureiros - Recentemente restaurado, esse lindo chalé do séc. XIX tem características da arquitetura francesa e é um espaço cultural importante na cidade. Desde a pintura, a música, a literatura e a própria arquitetura, estão bem pontuadas no imponente casarão. O médico e historiador Francisco Alberto Sales adquiriu o casarão no início de 1990 e doou-o a Fundação Casa de Penedo, com o objetivo de abrigar o Museu do Rio São Francisco. Nossa visita foi guiada ( custou R$ 4,00 ) e as peças impressionaram pelo valor histórico e estado de conservação. A restauração ficou excelente. Um elevador esta disponível para aqueles com dificuldade de locomoção. Está localizado na Avenida Getúlio Vargas, 172.










Em outubro de 2018, viajamos para a Ásia. Em nossa programação, uma série de destinos, incluindo Tailândia, Camboja, Vietnã e Singapura. A dúvida resultava entre optar por um roaming internacional, em convênio com nossa operadora (TIM) ou adquirir um chip local. Na pior e mais barata das hipóteses, aguardar uma velha, boa e oportuna área Wi-Fi. 
Como partiríamos de São Paulo, resolvemos investir no Skill SIM, presentes no terminal 2 e 3 do Aeroporto Internacional de Guarulhos. O merchandising impressiona. A empresa disponibiliza 210 países com internet ilimitada e preço justo. A tabela para este último, aliás, varia com os países e o tempo de uso para o cartão, que pode variar entre cinco e trinta dias.



O Instituto Ricardo Brennard foi considerado, em 2015, pela Traveler's Choice Museus, como o melhor museu da América do Sul. A área como um todo encanta. São 77 mil metros quadrados de área construída. A recepção já nos parece encantadora, desde o imenso estacionamento, até o acesso, caminhando por lindas palmeiras imperiais. No museu, todo acervo é da coleção particular do industrial pernambucano Ricardo Coimbra Brennan.
Antes do acesso a entrada principal, um lindo lago já é cenário para fotos fantásticas.




INFORMAÇÕES BÁSICAS

Apesar de estar um pouco fora das programações turísticas convencionais, esta pequena cidade vale muito a pena ser conhecida. Principal cidade dos Países Bálticos, no nordeste europeu, tem paisagens e muita história, sendo considerada a "Capital da Cultura na Europa", em 2014. É conhecida como  "Paris do Norte" e possui o maior acervo da arquitetura art nouveau da Europa. Chegamos aqui vindos de Varsóvia, em nossa viagem pelo nordeste da Europa. Com tempo frio e chuvoso, chegamos no pequeno Aeroporto Internacional de Riga, considerado um dos melhores da Europa. Brasileiros não precisam de visto, apenas passaporte válido. Após os procedimentos de costume,  trocamos Euro pela moeda local, o Lats. Esta, mais valorizada que o Euro (1/0,6). Desde 2014, entretanto, a moeda usada é o Euro. A língua falada é o letão, porém  o inglês é bem recebido. 
Até o centro, onde se localizam os melhores hotéis e a área turística, são aproximadamente dez quilômetros. Compramos o transfer na oficina de informações, localizado no próprio aeroporto e o  fizemos a bordo uma pequena Van (Shuttler), com wifi free, confortável. Uma ótima pedida. Táxi é uma boa opção, embora um pouco mais caro. As principais locadoras de carros estão próximas ao portão da saída, mas não vejo necessidade de alugar carro ali. De ônibus, é o de número 22. Aproveite e pegue o mapinha da cidade.