Escrito por Tânia Barros






Luxor, que significa palácio com cem portas, foi em 1550 a.C, a capital do Egito durante o Novo Império. Também foi denominada pelos gregos de Tebas, em conformidade com a cidade grega de Tebas. Dividida pelo rio Nilo entre cidade dos vivos e cidade dos mortos, é a Disneylândia dos apaixonados por história.
E é nela que vivi uma das mais fantásticas experiência de vida.
Era muito cedo, antes das 4 da manhã quando tudo começou. O entusiasmo no rosto de meus companheiros de viagem, o brilho no olhar, anunciava que algo grande e de muita emoção nos aguardava. Devo lembrar que tudo no Egito foi grande e emocionante.
Partimos em um barco e fizemos a travessia para a margem oeste do Rio Nilo, onde a aventura iria começar. Embarcamos em um van que nos levou ao local exato onde os balões estavam sendo preparados.




Em novembro de 2017, fomos conhecer o Enotel Acqua Club em Porto de Galinhas. Ficamos três dias em sistema de all-inclusive. Viajamos com a família, que incluía duas crianças pequenas de nove e dez anos. A expansão do complexo Enotel impressiona. Inicialmente pelo tamanho, pois ficou imenso e ainda com projetos para crescimento. Assim sendo, fomos conhecer a parte nova do hotel, o Acqua Club, com recepção e estacionamento independentes da parte antiga, porém interligados.
O quarto é amplo, dotado de duas camas king size, frigobar e um banheiro de bom tamanho. A vista do nosso quarto era maravilhosa, voltada para a parte interna do hotel, setor do parque aquático. O wi-fi é livre, mas observamos que a conexão, por muitas vezes, falhava.



Um dos lugares mais fantásticos da terra é Gizé, na periferia do Cairo. Gizé ou al-jizzah, significa "o vale"ou "o platô". Lá, encontram-se as Pirâmides e a Esfinge, a guardiã do platô. Uma das sete maravilhas do mundo. Há pelo menos cinco mil anos, Gizé era uma área de sepultamento real para a cidade de Mênfis, antiga capital do Egito. Os membros da realeza eram enterrados também ali, em pequenas pirâmides, em túmulos de pedra chamados mastaba. Esses incríveis monumentos foram erguidos durante a quarta dinastia do Império Antigo (2686-2181 a.C).
As três pirâmides são as de Quéops (maior e mais antiga), Quéfren (filho de Queops, um pouco menor) e Miquerinos (a menor).
É inevitável a emoção do lugar, que é simplesmente um espetáculo para os amantes da história. Nossa primeira parada foi na pirâmide de Queops (2589-2566 a.C). Incrível imaginar como as pessoas conseguiram erguer e montar uma estrutura tão complexa. As pedras são de tamanho monumental e pesam algumas toneladas. Vale subir um pouco com cuidado e tirar umas fotos. Escalar é proibido, desde1980.


Este local fantástico é o coração de Moscou e de toda a Rússia. Ficamos quatro dias em Moscou e todos  os dias acabávamos passeando pela praça vermelha. Patrimônio Mundial da UNESCO, este local atrai todos os turistas. A sensação quando estamos na praça é de felicidade e deslumbramento por estarmos em um pedaço da história do mundo. Passeatas, desfiles militares, tudo já aconteceu neste local. Como chegar: de táxi ou via metrô Plochad Revolutsi. Quatro importantes monumentos são os mais visitados:

Uma das entradas para Praça Vermelha



A fundação do Congresso Nacional Indiano, em1885, fez crescer as aspirações nacionalistas dos indianos. Os constantes embates com os ingleses, principalmente depois da morte de mais de 300 manifestantes indianos que lutavam contra a cassação de liberdades civis, fizeram com que todas as castas se revoltassem e se unissem contra a brutalidade dos ingleses. Por volta de 1920, quem assumiu a liderança do movimento nacional foi Mohandas Karamchand Gandhi, advogado de Gujarat que voltara recentemente da África do Sul. Conhecido como Mahatma, ou "grande alma".  Sua proximidade com o povo pobre da Índia e seu belo trabalho comunitário nos vilarejos, tornou o movimento ainda maior. Sua estratégia era lançar uma cruzada moral sem violência (satyagraha). 
A princípio, o movimento de independência foi combatido com crueldade pelos ingleses, mas depois da segunda guerra mundial, sem o mesmo poderio e determinação, termina o domínio britânico e a Índia e o Paquistão nascem como nação. Datava agosto de 1947.
No final do mesmo ano, ocorreu uma guerra entre a Índia (hindu) e o Paquistão (muçulmano) pela posse da Caxemira.
Em nossa visita a Delhi, procuramos conhecer um pouco mais a história de Gandhi. Visitamos três locais que consideramos essenciais para conhecer um pouco a história desse importante pacifista mundial.

Museu Nacional Gandhi - É um local bem simples, pequeno, de muito verde e bastante freqüentado. Conta a trajetória dos 20 anos de luta política de Mahatma contra a ocupação inglesa na Índia , que já durava nove décadas e que lhe rendeu também algumas prisões. No local, estão expostos vestes pessoais, documentos históricos, muitas fotos, condecorações , presentes e local para oração. No final, há uma pequena livraria, com vários livros expostos à venda, dedicados a Mahatma. É tao simples quanto o homenageado. Imperdível.









Gandhi Smriti - Também conhecida como Old Birla House. Aqui o líder pacifista passou seus últimos cento e quarenta e quatro dias até ser assasinado por Nathuram Godre, durante uma caminhada noturna para orações. O asassino acreditava que Gandhi estava defendendo os muçulmanos na guerra contra o Paquistão. Após sua morte, a comoção foi tamanha, que os países deram uma trégua na disputa. O local possui uma  grande  área verde, onde está localizado um pequeno monumento, exatamente no local do assassinato do pacifista. O mesmo é aberto para visitação. Existe ainda um pequeno museu, sala de estudos conjugada, biblioteca, bustos, objetos pessoais, o quarto onde dormia Gandhi e uma pequena loja, onde são vendidos produtos indianos.










Rajghat - É um memorial. O mais poderoso símbolo da nacionalidade indiana, foi o local de cremação do corpo de Gandhi, em 31 de janeiro de 1948. É uma imensa área verde, muito visitada por turistas e locais, um lugar sagrado. Para ter acesso, é necessário deixar os sapatos em local específico, caminhar em silêncio e sentir a energia do local. Uma caminhada contagiante. Fomos até a enorme plataforma de granito preto, onde está escrito  suas últimas palavras, a saber, He Ram! (Oh Deus!). Os tapetes alaranjados, contrastam com o preto do granito. É um belo local e que transmite paz.
Entrada livre, deixa-se  apenas uma contribuição ao deixar os sapatos.








Reserve cerca seis horas para este passeio. É o suficiente. A Índia possui uma história riquíssima. Vale conhecer!